Sábado, 3 de Março de 2007

O JULGAMENTO

   

Personagens:

Juiz

Advogado de defesa

Advogado de acusação

Alcoviteira

Escriturário

Polícia

 

Texto:

Oficial de justiça – Todos de pé.

Juiz – Podem-se sentar. Declaro aberta a audiência.

        Aproxime-se a ré. Coloque a mão sobre o livro sagrado.

Juiz Jura dizer a verdade, somente a verdade e nada mais que a verdade?

Brísida Vaz(com a mão numa revista) – Sim, juro pela morte da minha rica mãezinha que já morreu. Se não que me caia um raio que me parta a cabeça e 100 açoites.

Advogado de defesa – E o sim foi bom.

Juiz – Pode-se sentar. Identidade.

Brísida Vaz - Eu??? Eu chamo-me Brísida Vaz, alcoviteira de profissão. Quem quiser os meus servicinhos são 100 euros no fim de semana e 50 em época de saldos.

Juiz (Diabo) – Bom desconto!!! A que horas está disponível?

(O escriturário para de escrever e sussurra se deve escrever isso)

Juiz (anjo) – (Tosse.) Sabe o motivo que a trouxe aqui ao tribunal?

Brísida Vaz – Deve ser por ter fugido aos impostos! Também não sabia que com a minha profissão era preciso fazer os descontos e essas roubalheiras. Não se preocupe, eu já comecei a passar facturas aos meus clientes.

Juiz (Diabo) – Não é isso.

Brísida Vaz – Uff!! Inda bem.

Juiz (Anjo) – A ré é acusada de ter concebido o crime de ofensa da lei efectuando poucas-vergonhas, afronto á sociedade e servicinhos ilícitos levando meninas boazinhas para maus caminhos. O que tem a dizer sobre isso?

Brísida Vaz – Ó filho, como podes acusar-me assim..

Advogada de acusação – Objecção!!!! Falta de respeito perante o doutor juiz. Ele não andou consigo na escola. Tem que o tratar pela 3º pessoa.

Juiz – Diferido.

Brísida Vaz – Não andou comigo na escola, mas podia ter andado nos lençóis!!! Continuando. Ò filho, como posso ser acusada assim. Eu criei aquelas meninas como se fossem minhas filhas Ensinei-lhes um oficio de longa tradição. Maus caminhos seguiriam elas se fossem pobres. Era o que as esperava. Além disso tenho muito orgulho no que faço, não tenho vergonha nenhuma. Vergonha devia ter você em chatear assim uma nobre senhora como eu, que podia estar a trabalhar.

Juiz – O advogado de acusação tem alguma coisa a dizer?

Adv. Acusação – Tenho sim senhor doutor juiz. (Levanta-se). Durante as suas declarações limitou-se a fugir das acusações que lhe são dirigidas. Responda de uma vez. Admite ou não os crimes de que é acusada sabendo que são punidos pelo Decreto Lei nº00007, artigo 60 alínea z)?

Brísida Vaz – Não. È um ultraje ousarem dizer que levei as minhas ricas meninas para apela má vida.

Advogado de acusação – Então nega tudo, embora haja provas e tetemunhas contra?. Não tenha mais nada a dizer.

Juiz – Advogado de Defea, tem algo a acrescentar?

Adv. Defesa – Sim, senhor doutor juiz. (Levanta-se) – Sra D. Brígida Vaz, é ou não verdade que não recebeu nenhuma queixa dos serviços que você ou as suas meninas fizeram?

Brísida Vaz – É verdade.

Adv. Defesa – Quantos, mas quantos políticos, empresários de sucesso e jogadores encontram em casa da minha cliente uma fuga para os seus problemas e angustias existenciais. Isto só prova a importância deste honroso trabalho para a sociedade Não tenho mais nada a acrescentar.

Juiz – Provados os factos constantes da acusação considero a ré culpada pelo crime de difamação e quebra do sigilo profissional a 5 anos de prisão e 10 açoites por dia enquanto lá permanecer.

Brígida Vaz – Como? Cinco anos!? Isso é  muito!!! Eu preciso de trabalhar.

Juiz – Declaro encerrada a sessão. 

Brígida Vaz – Não!! São cinco anos, é muito tempo, eu preciso de trabalhar!!! Não!! Não pode fazer isso!! È muito tempo, eu preciso de trabalhar!! ( chega um polícia e prende-a.) Não imploro-lhe.. Não!!

Advogado de defesa – Deixe lá, deixe lá.

Fontes: Vicente, Gil. Auto da Barca do Inferno

Sinto-me: estrela de cinema (lol)
Publicado por artink às 13:03

Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
2 comentários:
De Patriii a 6 de Março de 2007 às 14:35
Adorei o video, está mesmo fixe. : ).


Continuem assim!

BeijiiinhO.
De Miguel a 10 de Março de 2007 às 02:33
Ah....os bons velhos tempos do auto da barca do inferno...Vocês têm jeito para a coisa...Ainda me lembro de quando fiz de fidalgo a frente de mais ou menos 150 pessoas no fórum .. altamente. Parabéns continuem assim.
Fiquem bem,
Miguel

Comentar post

*Mais sobre Artink

*Pesquisar neste blog

 

*Maio 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

*Posts recentes

* ...

* O JULGAMENTO

* REPORTAGEM

* ENTREVISTA

* BIOGRAFIA DE GIL VICENTE

* CRONOLOGIA DE GIL VICENTE...

* LOGO DOS ARTINK

* TÂNIA

* RITA

* DANIEL

*Arquivos

* Maio 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

*tags

* a equipa

* a nossa escola

* apresentação

* biografia

* cronologia

* daniel

* entrevista

* gil vicente

* joana

* julgamento

* logotipo

* miguel

* o parvo

* reportagem

* rita

* tânia

* teatro

* tema livre

* wilson

* todas as tags

*Links

*As nossas fotos

blogs SAPO

*slide